twitter


O closed caption é uma ferramenta destinada aos deficientes auditivos que transcreve, sob a forma de legendas, o áudio de diversos tipos de transmissões ao vivo ou pós-produzidas, como filmes, novelas, telejornais, programas de auditório etc.
Como o Closed Caption é gerado
Quando o primeiro bloco do programa "Mais Você" acabou, na última terça-feira, o estenotipista André Santos tirou as mãos do teclado e disse: "Hoje está difícil, tem muito nome de ator". 
Santos acabara de passar 40 minutos redigindo cada palavra dita pela apresentadora Ana Maria Braga.
O resultado do trabalho --o Closed Caption-- era acompanhado em tempo real por milhares de deficientes auditivos, marombeiros de academia e pacientes de consultórios que, naquela hora, encaravam televisores silenciosos --mas com uma legenda preta na parte de baixo. 
Obrigatório em canais abertos desde 2006, Closed Caption, ou legenda oculta, é a reprodução literal e simultânea do que é dito no ar.
Por lei, o texto tem de ser branco, sobre fundo preto. Além de transmitir o conteúdo que é dito, deve informar nuances, entre colchetes ("[risos]", "[gritando]").

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ao menos 98% das palavras têm de ser grafadas corretamente. Cada emissora é obrigada a transmitir seis horas diárias de programação com Closed Caption. A partir de junho, serão oito. 
Naquela manhã, Santos conseguiu manter seu texto incólume quando Braga citou osatores americanos Clint Eastwood e Jack Nicholson. O problema surgiu com o nome "Edson Celulari". 
Primeiro, ele digitou "Edson Selo Lar". Apagou, substituindo por "Edson Celular". Só na terceira tentativa, conseguiu achar a forma correta, com a letra "i" no final.

Folha acompanha a rotina dos profissionais das legendas (FOLHAPRESS)

"XUAS", "NEGUE" E "ER"
 

Para dar conta de escrever tanto em tão pouco tempo, Santos usa o estenótipo, um teclado de 22 botões, alocado entre as pernas, que funciona combinando fonemas. Por exemplo: se precisa escrever "Natalie", ele une o fonema "nat" ao fonema "li". Para redigir Natália, ele combina "nat" com "ayla" -- cabe ao computador "decifrar" o resultado final. É como se tocasse um piano, formando palavras ao invés de acordes. Por isso, ainda que pareça um enorme obstáculo, o ator e ex-governador Arnold Schwarzenegger nunca terá o sobrenome mal grafado. Para Santos, basta usar três teclas, juntando os fonemas "xuas", "negue" e "er". "O problema é lembrar tudo isso", diz. O aprendizado leva quatro anos: um para saber as combinações de fonemas; três para decorá-las. Santos, 29, é sócio da Steno do Brasil, empresa de São Paulo, responsável por fazer o Closed Caption de Record, SBT, Rede TV!, TV Brasil, TV Senado, MTV e uma parte da programação da Globo. Hoje, a empresa tem filiais em Campinas (SP) e Brasília. A sede é equipada com um gerador, quatro antenas de TV e três provedores de internet --para que, em hipótese alguma, as legendas deixem de chegar às emissoras. Não fecha um único dia do ano. "Natal, Carnaval, Páscoa, tem sempre alguém aqui", conta Reimberg. "No Ano-Novo, uma mão estoura o champanhe, e a outra digita o que está sendo dito." Findo o "Mais Você", o estenotipista Santos ainda transcreveria, mais tarde, o "Programa do Ratinho", o "SBT Brasil" e --terror de todos do ramo-- uma Reunião Ordinária da Comissão de Assuntos Econômicos, para a TV Senado. Diante da mesa, havia uma folha com os nomes de todos os senadores e seus respectivos partidos. "O problema da TV Senado é que não tem intervalo", justificou. Para não se embaralhar quando da citação de políticos, ele já definira a combinação de teclas que daria origem ao nome de cada um. "Eduardo Suplicy", portanto, aparecia com a combinação de três toques. "Dilma Rousseff", de dois. Problema haveria se surgisse um nome desconhecido. No começo do ano, Santos se viu em maus lençóis, quando pego, de surpresa, pela crise no Oriente Médio. Ao citar o ditador líbio pela primeira vez, escreveu Muammar "Kadaf". "Mas pouca gente usava assim. Mudei para Gaddafi", avisou. Ultimamente, tem preferido "Qaddafi". É a forma usada pelo "New York Times". 
texto: ROBERTO KAZ
 fonte: Folha On-line

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.